Topo

Artigos

Vercil Rodrigues

Sobre o autor:

Vercil Rodrigues

Advogado. Graduado em História (Licenciatura); Graduado em Ciências Jurídicas (Bacharel); Pós-Graduado (Especialização) em História Regional; Pós-Graduado (Especialização) em Gestão Escolar; Pós-Graduado (Especialização) em Docência do Ensino Superior; Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Ilhéus; Membro-fundador e Vice-Presidente da Academia Grapiúna de Letras (AGRAL); Membro-Idealizador e Vice-Presidente da Academia de Letras Jurídicas do Sul da Bahia (ALJUSBA); Membro da Academia de Letras de Ilhéus (ALI); autor dos livros Breves Análises Jurídicas e Análises Cotidianas (Direitos Editora) e Diretor-fundador do jornal, revista, site e editora de livros DIREITOS (www.jornaldireitos.com.br). Itabuna – Bahia.


E-Mail: vercil@jornaldireitos.com.br

Consórcio de Imóveis

Esse tipo de consórcio tem crescido muito no Brasil e os investidores são os mais adeptos desse tipo de negócio, pois não querem o imóvel para morar, e sim para investir. O consórcio imobiliário é uma alternativa para quem precisa economizar, já que não correm juros e também não precisa de entrada, como no financiamento, nem terá que pagar parcelas intermediárias, além de que, não é necessário avalista e nem comprovante de renda. Além disso, nesse tipo de negócio há também a possibilidade de usar o Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS), para ofertar o lance e ser logo contemplado, desde que atenda as normas do Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

E o contratante também escolhe o valor do crédito desejado, o prazo e o valor das parcelas de acordo com o seu orçamento. Mas é preciso ter paciência e fazer planejamento. Isso se deve a demora na entrega do imóvel, já que no consórcio é preciso ser contemplado, o que pode demorar e só acontece de duas maneiras: sorteio ou lance, que consiste em utilizar até 25% do valor do crédito para adquirir o bem. Quanto aos riscos, eles são inerentes ao negócio, como em qualquer transação contratual. Por isso, o interessado nesse tipo de negócio deve escolher com muito cuidado a Administradora do Consórcio e checar se a mesma é autorizada pelo Banco Central (BC) a formar grupos.

Com essas preocupações primárias não há perigos de perda de investimentos. Se não tiver utilizado a carta de crédito poderá pedir para desfazer- se do contrato e ser ressarcido no valor que investiu no negócio. Além disso, por meio do consórcio existem diversas possibilidades de investimentos, desde a compra da casa própria, para morar ou alugar, até a compra de unidade comercial, a fim de montar um negócio próprio. E é permitido também usar a carta de crédito para reformar ou construir a residência ou mesma uma empresa. Portanto, o consórcio de imóvel não é restrito a unidade residencial, podendo ser contratado para terrenos e salas comercial para empreendedores que pretendem abrir um negócio a médio e longo prazo.

© 2017 - Jornal Direitos - Todos os direitos reservados
By inforsis and CL