Topo

Entrevistas

Entrevista com Luiz Raimundo Gavazza, diretor-presidente da Bahiagás.



DIREITOS – Com o fechamento de mais um exercício e o início de um novo ano de atividades, qual a sua avaliação do desempenho da Companhia e quais as perspectivas para 2018?
Luiz Gavazza – A despeito das dificuldades enfrentadas pela economia nacional e também mundial, avaliamos bem a performance da Bahiagás em 2017. A Companhia fechou o ano com mais de 52 mil clientes consumindo o gás natural, nos 21 municípios para os quais distribui o energético, nos segmentos residencial, comercial, industrial, automotivo e termelétrico.

DIREITOS – Qual a estratégia utilizada pela Companhia para atravessar este período de dificuldades?
Gavazza – A nossa receita foi aliar a expansão de mercado ao programa estratégico de crescimento e fortalecimento da Companhia. Baseamos o nosso planejamento em três frentes de atuação: interiorização das atividades; massificação e diversificação do uso do gás natural. Para isso, a Bahiagás investiu, nos últimos 10 anos, mais de R$ 400 milhões. A meta é investir mais R$ 678 milhões nos próximos cinco anos, conforme está previsto no nosso Plano de Investimentos. Um dos objetivos da aplicação dessas verbas é possibilitar a ampliação da nossa rede de dutos, que possui, atualmente, 905 km de extensão. A previsão é de que até 2021 tenhamos implantado mais 575 km, resultando num total de aproximadamente 1.480 km.

DIREITOS – Quais as principais realizações da Bahiagás em 2017?
Gavazza – 2017 foi um ano de muito trabalho. A Companhia deu continuidade à expansão da sua rede urbana em Salvador. A ampliação da rede se deu nos bairros da Barra, Graça, Ondina, Pituba, Rio Vermelho, Stiep e na região da Cidade Baixa (Água de Meninos). Avançamos com as conversões dos veículos da frota do Governo do Estado, através do Convênio de Cooperação Técnica e Financeira que firmamos com a Secretaria da Administração (Saeb). Mais 48 veículos oficiais foram convertidos e passaram a usar o Gás Natural Veicular (GNV). A assinatura do convênio é uma das principais etapas do Programa +GNV, que compreende uma série de iniciativas visando à expansão do mercado do energético no estado. Numa iniciativa inédita no País, publicamos, no mês de junho, uma Chamada Pública para aquisição de gás natural de supridores independentes, no volume de até 1 milhão de m³/dia. Com este movimento, a Companhia visou à diversificação das suas fontes supridoras, o aumento da confiabilidade no provimento, bem como a competitividade do gás natural no estado. Todos estes movimentos, aliados ao cumprimento do planejamento estratégico da Companhia, colocaram a Bahia- Entrevista com Luiz Raimundo Gava zza, diretor-presidente da Bahiagás. gás em posição de destaque no ranking divulgado pela revista Exame – Melhores & Maiores Empresas do Brasil. A Companhia baiana foi considerada pela publicação como a segunda melhor empresa do setor de energia no País, na categoria Liquidez Corrente. Isso significa que a Bahiagás está no topo do ranking nacional de empresas com maior capacidade de pagamento. A revista mostrou ainda que, no que se refere ao setor de energia de uma forma geral, a Bahiagás se mantém há alguns anos entre as dez maiores empresas do Brasil. Além disso, a Companhia continua entre as 15 melhores do País no quesito menor endividamento. Isso tudo nos dá a certeza de que estamos no caminho certo.

DIREITOS – Qual o principal projeto da Bahiagás para estes próximos anos?
Gavazza – O principal empreendimento da Companhia para os próximos anos é a construção do projeto Gás Sudoeste - Duto de Distribuição de Gás Natural do Sudoeste. A obra tem extensão total de 306 km e investimentos da ordem de R$ 505 milhões. O duto passará por 13 municípios e será o maior do Nordeste e o segundo maior do Brasil. O objetivo é prover gás natural aos setores industrial, comercial e automotivo, com destaque para as grandes mineradoras instaladas na região. A primeira etapa da obra, com aproximadamente 73 km de extensão e montagem de três estações de Distribuição de gás natural, está em fase de conclusão da licitação e tem custo total orçado em 67,7 milhões. A intervenção parte da divisa entre as cidades de Ipiaú e Itagibá, passando pelos municípios de Aiquara e Itagi, chegando até Jequié. Nestas localidades, o energético atenderá aos segmentos industrial e comercial, com foco no ramo de alimentos e bebidas.

DIREITOS – E como andam as vendas da Companhia?
Gavazza – Em se tratando do volume de gás natural fornecido, o principal mercado da Bahiagás é o segmento Industrial, com média de vendas de 3,4 milhões de m³/dia. A Companhia atende, atualmente, 110 clientes neste segmento. O consumo se localiza principalmente no Polo Industrial de Camaçari, que representou, em 2017, cerca de 87% das vendas totais da Bahiagás, como também no Centro Industrial de Aratu, Feira de Santana, Alagoinhas, Eunápolis, Mucuri, Itabuna e Ilhéus. O setor residencial, no entanto, é o que apresenta os índices mais expressivos no tocante ao crescimento do número de clientes. A base de consumidores atendidos aumentou exponencialmente nos últimos 10 anos, saindo de 1.151, em 2007, para mais de 53 mil clientes consumindo o energético, atualmente. O segmento comercial também vem crescendo, ano após ano, e fechou 2017 com mais de 500 clientes ligados.

© 2018 - Jornal Direitos - Todos os direitos reservados
By inforsis and CL