Topo

Entrevistas

O entrevistado dessa edição do DIREITOS, é o advogado itabunense Dr. Marcos Antônio Conrado Moreira, especialista em Direito Previdenciário.

DIREITOS - Porque o Dr. Marcos Conrado escolheu o Direito Previdenciário como ramo do Direito para atuar?

Marcos Conrado – Sempre que me fazem esta pergunta eu digo em tom de brincadeira que o Direito Previdenciário me escolheu. Pois na época da faculdade não dei muita importância a esta disciplina. E quando montei meu escritório no Bairro São Caetano de repente me vi com diversos questionamentos sobre Direito Previdenciário com grande possibilidade de gerarem ações previdenciárias. A partir daí comecei a estudar a matéria, analisar as jurisprudências consolidadas nos Tribunais Federais, e este estudo e a busca cada vez maior pelo conhecimento da matéria previdenciária se mantêm até hoje. E nesta caminhada em busca de saber mais sobre o Direito Previdenciário fui a cada dia me identificando com esta especialidade do Direito, por diversos motivos: pela questão social; pelo objeto destas demandas judiciais que na maioria dos casos é uma renda que tem o caráter alimentar destinada à subsistência do segurado e sua família; pelo desafio que é fazer prevalecer o equilíbrio da balança da justiça referente a direitos e deveres das partes, estando de um lado a toda poderosa Autarquia Federal (INSS) que no contexto tem sempre a “Presunção da Verdade” em seus atos administrativos e do outro o segurado da Previdência Social frágil na esfera administrativa, entretanto, com possibilidade de ter seus direitos reconhecidos na via judicial.

DIREITOS – O Dr. é pioneiro na cidade de Itabuna em instalar um escritório em um bairro e não no centro da cidade. Porque em um bairro e porque no São Caetano?

Marcos Conrado – Eu sempre vi o Bairro São Caetano como uma pequena cidade, cercada por diversas cidades menores que são os bairros que estão em volta, ficava impressionado com o movimento que acontecia de domingo a domingo, e sempre me vinha a intuição de abrir um escritório de advocacia no bairro. E isso aconteceu por volta do ano de 2002, e posso garantir que minha aposta foi vitoriosa, pois consegui atuando na Advocacia Previdenciária atender a demanda do bairro, da cidade e também se estendendo para toda região.

DIREITOS – Hoje temos muitos escritórios que atuam em Direito Previdenciário no Sul da Bahia. Qual o diferencial da Conrado Advocacia?

Marcos Conrado – Na vida e na profissão eu digo sempre que cada pessoa tem que saber construir bem sua estrada, para que possa olhar para traz e não ter vergonha da estrada que construiu, assim, a nossa advocacia é exercida com muita ética, respeito aos colegas e as pessoas que compõem o Poder Judiciário, e principalmente o acolhimento a todas as pessoas que procuram nosso escritório, independentemente de serem clientes ou se sua demanda vai gerar uma ação. O meu compromisso com a causa previdenciária me impulsiona e me faz sentir bem, em orientar, esclarecer e responder os questionamentos das pessoas que me procuram sobre a matéria previdenciária, como já disse independente de ser meu cliente ou não, ou se vai gerar para nosso escritório uma ação previdenciária. Se estes pontos de vista levantados são diferenciais, não sei. O que sei é que esta é minha advocacia previdenciária.

DIREITOS – A Conrado Advocacia tem no Direito Previdenciário o seu forte, mas só atua nessa área do Direito?

Marcos Conrado – A Conrado Advocacia além da atuação em Direito Previdenciário, também se dedica ao Direito Trabalhista e a Defesa do Consumidor.

DIREITOS – Quem atualmente compõe a Conrado Advocacia?

Marcos Conrado – A Conrado Advocacia é formada por Marcos Conrado e os meus filhos e advogados Dr. Marcos Antônio Gomes Conrado e o Dr. Bruno Gomes Conrado.

DIREITOS – Em quais cidades vocês prestam atendimentos jurídicos?

Marcos Conrado – Atualmente temos escritório na cidade de Itabuna e Ipiaú, e estamos analisando ainda este ano montarmos mais dois escritórios em outras cidades que ainda não definimos. Temos muitos clientes de diversas cidades, e sei que existe um grande sacrifício para chegarem a Itabuna para o atendimento em nosso escritório, por isso, estamos estudando a abertura de mais dois escritórios em outras cidades para atendermos a demanda destas cidades e evitar o deslocamento destas pessoas para Itabuna.

DIREITOS – Suas considerações finais?

Marcos Conrado – Nas considerações finais, quero expressar o que é a advocacia para mim, e minha advocacia está traduzida no pensamento do grande jurista Saulo Ramos, que diz: “A advocacia é a suave obsessão, e o irresistível fascínio de lutar pela defesa do direito de alguém. Salvar liberdades, honras, patrimônios de toda espécie, materiais e morais. Poder ajudar na cura de feridas abertas na alma dos injustiçados pobres ou ricos”.

© 2018 - Jornal Direitos - Todos os direitos reservados
By inforsis and CL