Topo

Entrevistas

Entrevista ao deputado estadual Augusto Castro

Fortalecer o diretório municipal do PSDB é o principal objetivo do deputado estadual Augusto Castro, que, em entrevista ao Agora falou que o jornalista José Adervan será mantido na presidência do diretório municipal, para onde pretende indicar algumas pessoas do seu grupo político, visando azeitar a máquina partidária para o processo sucessório em 2012, quando o partido deverá marchar ao lado do DEM.

Anunciou, ainda, que o partido poderá ganhar com ingresso nos seus quadros da vereadora Rosi Castro, que deve deixar o PR para se filiar ao PSDB. Na area parlamentar, ele pretende defender a criação da região metropolitana de Ilhéus e de Itabuna, bem como cobrar ações do governo com relação ao combate à violência e mesmo à devolução da gestão plena da saúde para Itabuna.


Como o PSDB se prepara e encara a convenção programada para março com vistas à sucessão municipal de 2012?

Augusto Castro - Há uma predisposição natural de mudanças que precisam acontecer no partido, não do ponto de vista ético, mas de uma forma alinhada com o próprio diretório estadual. Com isso, é natural que o partido receba novos filiados e amplie seus quadros em Itabuna. Eu, como deputado eleito na Bahia e com uma expressiva votação na cidade, estarei indicando pessoas ligadas a mim para a executiva municipal. As divergências são normais, mas acredito que o processo deve ocorrer de forma tranquila, mas existe uma unidade no PSDB que pensa muito maior do que o que se diz aí fora. Eu, como representante do partido na Assembléia, trabalho pela unidade, pelo consenso e já existem alguns nomes novos que vão compor a executiva municipal do PSDB, até porque são pessoas que querem somar, crescer com o partido, dentro do seu programa e da sua estrutura, trabalhando pelo bemestar da população e ao mesmo tempo colaborando com Itabuna no sentido de promover o seu desenvolvimento. Quanto às divisões elas são naturais e acontecem em qualquer partido.
Encaro as mudanças de forma natural, até porque faz parte da própria atividade política. Acredito que o PSDB aqui está mais unido do que nunca e vai se fortalecer com o aumento do número de filiados.


Nestes termos, como deverá ser definida a estrutura da composição da chapa a ser eleita em 20 de março?

A.C - O assunto já foi discutido numa reunião da executiva do partido, onde fizemos a indicação de alguns nomes que irão compor a executiva partidária, mas dentro de um consenso que vai fortalecer o PSDB.
Como membro do diretório estadual do partido em interessa contribuir para o fortalecimento do diretório municipal. A presidência do diretório continua com o jornalista José Adervan, mas vou indicar uma integrante do nosso grupo político, a advogada Andrea Ribeiro Simas para a primeira vice-presidência, visando atrair mulheres e jovens para o partido. Ao mesmo tempo, pretendemos dinamizar as atividades partidárias com a realização de seminários e projetos que vão dar uma nova cara ao PSDB trazendo a professora Maria do Carmo, a advogada Veronice e a professora Selma, uma mulher com credibilidade e um histórico de militância. Há ainda a possibilidade de atrairmos a vereadora Rose Castro, que foi liberada do PR e será convidada a integrar PSDB, fortalecendo-o com a participação feminina.

Como deputado estadual, qual seria o seu posicionamento em relação à criação da região metropolitana que integraria as duas maiores cidades da região, no caso o eixo Ilhéus-Itabuna?

A.C - A partir do dia 15, com a abertura dos trabalhos legislativos, eu pretendo iniciar uma série de ações em defesa da região, que precisa de instrumentos para a retomada do seu desenvolvimento. Essa é uma região viável, mas que ainda depende da lavoura do cacau e tem um amplo potencial a partir de projetos como o do Porto Sul e mesmo do Complexo Intermodal que vai interligar o oeste ao leste da Bahia, beneficiando, de forma indireta, Itabuna. Vamos também retomar o projeto da região metropolitana, atraindo uma maior presença do Estado da nossa região.

E com relação à saúde, que é um problema de Itabuna e da região, como analisa a sua indicação do secretário Geraldo Magela?

A.C - O grande problema está no fato de que Itabuna perdeu a gestão plena da saúde e está pagando caro por isso. O nosso primeiro passo será a recuperação da gestão plena e hoje, há uma boa perspectiva para a sua retomada. Deveremos ter alguma decisão num prazo de 90 dias. É um recurso que deveria ser aplicado aqui e está indo para o governo do estado, quando Itabuna presta serviços a pacientes de mais de 100 municípios e trabalha com recursos escassos. Também o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães precisa de mais recursos e de uma reestruturação. O objetivo é reverter esse quadro e lutar para que o estado devolva a gestão para Itabuna.

Indicamos o professor Geraldo Magela para a Secretaria da Saúde em função do trabalho que ele realizou em Teixeira de Freitas, onde conseguiu excelentes resultados. Em Itabuna, ele vem realizando um levantamento da situação e está elaborando um relatório a ser encaminhado à Sesab e para outras entidades, além do trabalho de devolver a credibilidade à gestão dos recursos. Além do mais, Itabuna pela sua importância e pelo seu porte, precisa de mais recursos inclusive para o Hospital de Base, para melhoria da rede de serviços já existente e para a sua ampliação, com a criação de novas unidades do PSF. Temos também de fortalecer a Santa Casa de Misericórdia e isso não se faz naturalmente sem recursos, o que terá de ser negociado com o governador Jaques Wagner e a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).


JA – A segurança da Bahia é considerada uma das piores do Brasil e Itabuna convive com uma epidemia de violência com o registro de cerca de 30
crimes. O que fazer para reverter essa
situação?


A.C - A questão da segurança está ligada a investimentos, o que passa pelo fortalecimento da Polícia Militar e da Polícia Civil, bem como pelo reequipamento das unidades operacionais, pelo pagamento de melhores salários e condições de trabalho. Tudo passa pelo aumento dos recursos orçamentários e, por isso, pretendemos atuar discutindo o direcionamento e a aplicação dos recursos para o setor de segurança.
Vou solicitar uma audiência ao governador e ao secretário de segurança para aprofundar a discussão desta questão, até porque a população já não tem a quem recorrer. Temos de combater a criminalidade e atuar no sentido de tirar os jovens das drogas, através do estimulo ao esporte e à inclusão social.


O PSDB é um partido de oposição.
Como ele vai se posicionar na Bahia em relação ao governo estadual?


A.C - Naturalmente o nosso partido faz oposição ao governo no plano federal. Na Bahia, vamos fazer uma oposição responsável e sem radicalismo, afinal o PSDB é um partido de apontar propostas, soluções e caminhos. Vamos acompanhar os projetos do governo e aprovar justamente aqueles que sejam do interesse da população e que forem bons para a Bahia e Itabuna. Vou manter uma postura vigilante, mas disposto sempre a votar em favor das questões de interesse coletivo, numa postura de coerência em defesa da Bahia...


E no âmbito local, como é que fica?

A.C - nacionalmente o PSDB vem tendo um alinhamento muito grande com o DEM. Aqui em Itabuna, isso ocorreu de forma natural, pois caminhamos juntos na Bahia durante a sucessão estadual. Em Itabuna, estamos dispostos a colaborar com a administração municipal a encontrar novos caminhos, discutindo e apoiando projetos na área da saúde, da geração de oportunidades de empregos e tudo o mais. Também vamos ajudar na sustentação e na manutenção da governabilidade. Vamos encaminhar uma proposta ao diretório municipal para que os dois partidos caminhem lado a lado, fortalecendo-se mutuamente nas eleições municipais de 2012. A tendência sinaliza para uma composição entre os dois partidos na sucessão municipal através de uma aliança, afinal participamos da administração municipal e pode até participar na composição da chapa majoritária.

© 2017 - Jornal Direitos - Todos os direitos reservados
By inforsis and CL