Topo

Entrevistas

Entrevista com o Professor Cristiano Lôbo,diretor-geral da FTC Itabuna.

DIREITOS: Professor Cristiano Lôbo, a FTC está caminhando para completar 8 anos de atuação no Sul da Bahia. De 2001 até os dias atuais o que mudou em relação à proposta da Rede de Ensino e as transformações no âmbito da Educação Superior?

CL: No que diz respeito ao compromisso de oferecer Educação Superior de qualidade e de proporcionar às mais diversas camadas sociais a oportunidade de ingressar numa universidade, nada mudou. Pelo contrário: nós conseguimos fazer com que a região pudesse dar um salto quantitativo e qualitativo nas cportunidades de qualificação profissional superior como em poucas regiões do país foi registrado na última década. Isto se explica até mesmo se levarmos em conta que, diante do pioneirismo da FTC de acreditar na região como um polo em potencial para a educação superior, outras instituições de ensino também vieram aqui se instalar. Por outro lado, a demanda por mão-deobra cada vez mais especializada para atender as necessidades do mundo globalizado têm imposto novos desafios e exigido respostas cada vez mais imediatas.

DIREITOS: Como a Faculdade tem correspondidoa estes desafios?

CL.: Investindo na modernização do nosso projeto pedagógico, inclusive inserindo no contexto do ensino-aprendizagem a ferramenta digital. Buscando formar profissionais humanizados e comprometidos com as causas sociais que demandam de uma intervenção com conhecimento científico, visando romover
transformações capazes de assegurar mais qualidade de vida aliada ao desenvolvimento socioeconômico.

DIREITOS: De que maneira podemos
constatar essas transformações?


CL: Hoje, por exemplo, profissionais formados pela FTC Itabuna no curso de Engenharia Ambiental (um dos primeiros nesta área de qualificação na América Latina), estão atuando em multinacionais, desenvolvendo projetosde preservação ou de gestão na área de meio ambiente. Encontramos egressos do curso de
Sistemas de Informação atuando em Miami e Denwer (EUA) como analistas de sistemas em grandes corporações internacionais. Temos ainda enfermeiros e psicólogos graduados pela unidade itabunense da Rede de Ensino FTC aprovados em concursos públicos ou mesmo ocupando funções importantíssimas na área de saúde coletiva, em programas como Saúde da Família, Centros de Atenção Psicossocial, dentre outros. Podemos perceber, ainda em diversas empresas do Sul da Bahia e de ou outras regiões do estado, administradores saídos desta academia imprimindo um novo modelo de gestão. Enfim, estamos formando profissionais capazes de corresponder às exigências e expectativas do mercado.

DIREITOS: Professor Lôbo, ainda hoje repercute no meio acadêmico do Sul da Bahia a publicação do reconhecimento do curso de Direito da FTC. Qual a avaliação que a direção faz dos resultados obtidos neste processo junto ao MEC?

CL: De fato, esta foi uma dos melhores acontecimentos dos últimos dias. Logo após a publicação da Portaria de Reconhecimento do Curso de Psicologia, foi publicado no Diário Oficial da União de 08 de maio de 2009 a Portaria 653/2009 da Secretaria de Educação Superior do MEC, que reconhece o curso de Direito da FTC/Itabuna. Era grande a expectativa por parte de toda a comunidade acadêmica. Afinal, há mais de um ano recebemos a comissão de avaliação e tivemos acesso ao relatório da visita “in loco”, que recomendava o reconhecimento, com conceito máximo em praticamente todos os itens avaliados (nota 5, numa escala de 1a 5). Tudo isso veio coroar o trabalho desenvolvido ao longo dos anos de existência da Instituição e da contribuição expressiva dos docentes, discentes e funcionários. Cabe destacar que,mesmo sem e publicação da referida Portaria, os alunos estavam amparados pela Portaria 40, garantindo-lhes o direito de receberem o diploma antes mesmo do parecer final do Ministério.
Cabe destacar, também, que hoje o processo de registro de diplomas é muito rápido. Depois da parceria firmada com a UESC, que chancela os diplomas expedidos pela FTC, os graduados tem acesso ao documento em prazo bem inferior ao aplicado no passado, quando apenas a UFBA fazia o registro. Temos processo finalizados em menos de 90 dias. Uma verdadeira e merecida conquista.

DIREITOS: Qual foi o conceito novo trazido pela FTC Itabuna para formação de operadores do Direito?

CL: Implantado com grande expectativa na região, o curso em tela, ao longo dos seus cinco anos de existência, além de fomentar a formação de bacharéis qualificados, tem na sua essência a construção do ser ético e socialmente responsável. Prova disso são as diversas ações sociais desenvolvidas pela comunidade acadêmica, nos mutirões, eventos nos bairros, bem como o trabalho realizado pelo Núcleo de Prática Jurídica – NUPRAJ que, além de ser um excelente campo de estágio para os docentes, promove um atendimento de qualidade aos menos favorecidos. Quando o assunto é responsabilidade social, não medimos esforços.

DIREITOS: Como tem sido a inserção dos profissionais de Direito formados pela FTC no mercado?

CL: Tivemos a honra de apresentar os primeiros bacharéis em Direito da FTC Itabuna. Uma formatura que significou muito para todos nós. Na verdade, todas as formaturas têm o seu significado especial. Além disso, é gratificante saber que muitos graduados já estão no mercado de trabalho, alguns já com a carteira da OAB por terem, já na primeira oportunidade, sido aprovados no Exame, bem como acadêmicos que ainda não concluíram o curso também já ter sido aprovado no exame da Ordem.

DIREITOS: O que mais podemos destacar sobre a atuação da FTC?

CL: Aliado a estes fatores, que dizem respeito à formação acadêmica, estamos transpondo os muros da academia e levando nossos estudantes e docentes a perceberem na prática onde os conhecimentos fomentados em sala de aula podem fazer a diferença. Temos formado parcerias com diversas instituições assistenciais, organizações governamentais e não governamentais para execução de rojetos de extensão, ou, desenvolvimento de estágio supervisionado e o resultado não podia ser melhor: a promoção da cidadania e possibilidade de acesso para a população de baixa renda as inúmeras ações e serviços na área de saúde, de inclusão digital, de capacitação para o mercado de trabalho e assistência jurídica. Enfim, a FTC está cumprindo a sua missão de formar profissionais comprometidos com o desenvolvimento do Sul da Bahia.

© 2017 - Jornal Direitos - Todos os direitos reservados
By inforsis and CL